top of page
  • Foto do escritorTime de Psicologia

Uma abordagem na Comunicação Não Violenta (CNV) para fomentar relações harmoniosas


Ilustração de duas pessoas conversando com balões de diálogo acima de suas cabeças formando peças de quebra-cabeça que se encaixam, representando uma comunicação não violenta.

Em nosso percurso diário, a Comunicação Não Violenta surge como uma ferramenta eficaz para a promoção de relações saudáveis e construtivas. É comum, no nosso cotidiano, sermos afetados pelo outro ou afetá-lo negativamente.


Muitas vezes, dizemos que a pessoa foi grosseira ou faltou empatia e, por vezes, não encontramos as palavras para expressar o que ocorre no nosso mundo interno. 


Principais características da Comunicação Não Violenta (CNV)

Para uma vida mais equilibrada, a comunicação torna-se essencial. A seguir, vamos explorar as práticas fundamentais da CNV, destacando seus pontos cruciais. Confira!


Observação sem julgamento

Constitui a espinha dorsal da comunicação não violenta. Ao invés de emitir críticas diretas, o foco da atenção deve estar em fatos concretos e objetivos. Por exemplo, substituir a afirmação "Você está sempre atrasado" por "Percebo que chegou 15 minutos após o combinado"; estabelece uma plataforma objetiva, reduzindo preconceitos e mal-entendidos.


Expressão assertiva de sentimentos

A expressão assertiva de sentimentos envolve ser honesto sobre emoções sem atribuir culpa. Em vez de culpar, é importante expressar de maneira neutra, como "Quando essa situação (chegar 15 minutos após o combinado) ocorre, sinto-me frustrado e ansioso". Essa abordagem focaliza as emoções sem responsabilizar diretamente o outro, propiciando uma comunicação mais aberta e receptiva.


Identificação de Necessidades

Para compreender as necessidades humanas, é vital atentar-se aos sinais verbais e não verbais. Observar expressões faciais, linguagem corporal e palavras-chave que indicam desejos ou preocupações é essencial. 


Além disso, fazer perguntas abertas sobre o que é importante para a outra pessoa facilita a compreensão das necessidades, fortalecendo a empatia na comunicação. “Parece que neste horário ocorrem muitas adversidades que podem comprometer o tempo e sinto que assim nossas necessidades de produtividade e colaboração não estão sendo atendidas.”


Formulação de pedidos assertivos

Ao formular pedidos, a clareza torna-se fundamental. Evitar demandas vagas e optar por expressões diretas, como "Você poderia me ajudar com [tarefa específica] às [horário específico]?", facilita a compreensão e resposta à solicitação, promovendo uma interação mais eficiente e colaborativa.


A prática da comunicação não violenta, guiada por observação sem julgamento, expressão assertiva de sentimentos, identificação de necessidades e formulação de pedidos, aparece como um caminho para construir relações mais harmoniosas e significativas. 


Essas práticas não só fortalecem os laços interpessoais, mas também contribuem para um ambiente mais saudável e colaborativo. No entanto, é um processo que demanda treino para que seja cada vez mais aprimorado e natural.


Sara Carlos da Silva - Psicóloga da Starbem (CRP 06/134844)


28 visualizações0 comentário
bottom of page